Quanto ganha um corretor de imóveis iniciante?

Quanto ganha um corretor de imóveis iniciante?

A profissão dos corretores de imóveis está cada vez mais comum, mas existem algumas dúvidas sobre quanto esse profissional pode ganhar em cada transação

Com o retorno do crescimento do mercado imobiliário, a figura do corretor de imóveis se tornou um elemento importante nesse meio, desempenhando um papel fundamental para a concretização da maioria das negociações de imóveis atualmente.

Tomados por essa tendência, vários profissionais se sentem inspirados a ingressarem nesse ramo do mercado. Afinal, é possível observar uma série de vantagens para os corretores imobiliários, como horários de trabalho flexíveis, autonomia para lidar com as negociações e comissões elevadas a cada venda.

Mas uma das principais dúvidas de quem é recém-chegado no mercado imobiliário ou está pensando em ingressar na profissão é com relação a quanto ganha um corretor de imóveis. Para ajudar você a entender melhor essa questão, criamos este post. Continue a leitura e tire suas dúvidas!

Qual o salário de um corretor de imóveis?

Independentemente de ser autônomo ou trabalhar de carteira assinada, o que condicionará a renda do corretor de imóveis são as comissões referentes aos negócios que ele fechar.

Por isso, não é possível determinar um valor fixo para o salário desse profissional. Os seus ganhos dependeram de quanto ele trabalhar e da quantidade de vendas que conseguir realizar.

Corretores de imóveis iniciantes tendem a ter uma receita menor, já que leva algum tempo para criar uma base de clientes e ganhar reconhecimento no mercado. Por essa razão, é preciso ter paciência e persistência.

Como funcionam as comissões?

A comissão paga a um corretor de imóvel varia de acordo com o tipo de imóvel negociado na corretagem.

O CRECI delimita que a remuneração paga ao corretor é de 6% do valor da transação. No entanto, isso depende muito se o imóvel está sendo alugado ou vendido.

Nos casos de venda, a comissão varia entre 6 e 8% se os imóveis estiverem em áreas urbanas ou áreas industriais. Esse percentual fica entre 6 e 10% se o imóvel estiver em área rural e cai para 5% em imóveis que sejam provenientes de ação judicial.

Já na locação, a comissão costuma ser paga com o valor correspondente a um aluguel. Ou seja, geralmente o valor pago no primeiro mês pertence ao corretor. Além disso, se a locação for temporária, a comissão pode ser paga no valor de até 30% da quantia recebida pelo locador.

As comissões também são aplicadas para quem administra ou gerencia esses imóveis. O valor varia entre 8 e 10% sobre o aluguel e taxas recebidas pelo locador, sendo que essa quantia não pode ser menor que R$ 50,00. Para clientes que tenham uma cartela imobiliária maior do que R$ 100 mil por mês comprovados, o valor de comissão é de 5 a 10%.

Para corretores ou imobiliárias que administram condomínios, o valor da comissão está estipulado entre 5 e 10% sobre o valor arrecadado por mês — o piso é de R$ 850,00.

Outra distinção em relação à comissão diz respeito ao estado do imóvel negociado. Se a venda for de um empreendimento imobiliário recente, o valor de comissão pago é determinado entre 4 e 6% do valor total do imóvel. Caso se trate de uma propriedade antiga, a comissão passa a ser fixa de 6%.

Como é o trabalho com carteira assinada?

Uma dúvida comum para quem está começando é em relação a exercer a profissão como um autônomo ou ter carteira assinada e vínculo com alguma imobiliária.

A princípio, a profissão dos corretor de imóveis é classificada como uma atividade autônoma. De acordo com a CLT, é um exercício que não possui um salário determinado. Porém, existem casos — muito raros — em que um corretor pode ter um vínculo empregatício com uma imobiliária, recebendo salário fixo e comissão estipulada pela empresa.

Embora o vínculo empregatício seja determinado pela CLT, a comissão deve acompanhar a tabela determinada pelo CRECI e não pode ultrapassar os valores estipulados por esse órgão.

O comum é que os corretores trabalhem de forma individual ou em parceria com uma ou mais imobiliárias. É importante salientar que trabalhando em parceria com imobiliária, a comissão de 6% é paga e dividida entre um possível diretor, gerente e até outro corretor que possa ter atuado no contrato. Portanto, uma comissão de 6% pode chegar a virar 2, 1,43 ou até 1%.

O ideal é que o corretor de imóveis novo saiba que o mercado é amplo, está em plena recuperação e existem muitas oportunidades para quem deseja exercer a profissão com respeito e seriedade.

Além disso, é interessante que o corretor se prepare para atuar em todas as frentes de negócios, como avaliador de imóveis, administrador de aluguéis ou imóveis, gestão de condomínios e até em elaboração de contratos. Assim, ele pode diversificar seus ganhos e multiplicar o valor recebido mensalmente.

Como o corretor de imóveis pode aumentar seus ganhos?

Como você já deve ter notado, a renda do corretor de imóveis é condicionada pela quantidade de negócios que são realizados ao logo do mês. Pensando nisso, há duas opções para impulsionar os ganhos de corretores iniciantes. A primeira é montar um catálogo de imóveis maior, o que exige que o profissional esteja sempre buscando novas oportunidades de captar mais imóveis.

Outra possibilidade é selecionar as propriedades que apresentam um valor mais elevado. Apesar delas serem um pouco mais difíceis de vender, a comissão decorrente do negócio é bem maior. Isso garante mais estabilidade entre uma venda e outra, fazendo com que o corretor tenha uma vida financeira um pouco mais tranquila.

Além disso, é fundamental investir em estratégias de captação e fidelização de clientes. Aqui, um dos aspectos mais importantes é com relação à qualidade do serviço que você presta. Quando sai satisfeito, o cliente acaba atuando como divulgador do seu trabalho, o que garante que mais pessoas se interessem e procurem pela sua ajuda na hora de negociar um imóvel.

Por fim, uma das etapas mais importantes na rotina de um corretor de imóveis é o planejamento financeiro. Apesar da possibilidade de ter ganhos elevados, o mercado imobiliário nem sempre garante a estabilidade de que o profissional necessita.

Para se ter uma ideia, uma oscilação nas tendências de mercado ou uma variação na inflação, mesmo que mínima, pode reduzir a quantidade de negócios realizados, já que essas mudanças costumam causar insegurança nos compradores, que acabam por desistir das transações.

Por essa razão, você não pode se acomodar quando suas vendas mantiverem uma estabilidade por algum tempo. É sempre importante ter em mente estratégias para lidar com possíveis baixas nas negociações e manter reservas financeiras dos meses mais lucrativos, a fim de conseguir equilibrar os períodos de menor rendimento.

Com o objetivo de manter os ganhos com a venda de imóveis sempre crescentes, contar com a tecnologia é uma ótima estratégia. Apresentar seu catálogo de imóveis em um portal de anúncios pode aumentar suas chances de encontrar novos clientes e impulsionar seus negócios.

A nossa sugestão é que você conte com o Imovelweb. No nosso portal, você pode criar anúncios personalizados e tem a possibilidade de dar destaque a eles, garantindo que apareçam antes dos demais. Além disso, é possível ter acesso a todas as buscas que os usuários já realizaram, de modo a escolher a melhor estratégia para cada um deles. Você ainda recebe o contato dos interessados em seus imóveis via WhatsApp.

Para um corretor de imóveis iniciante, conseguir se estabilizar e ter bons resultados é algo que demanda tempo, paciência e persistência. Para tornar esse processo um pouco mais fácil, é importante entender como calcular sua comissão para cada tipo de imóvel negociado. Assim, é possível saber como serão seus ganhos e potencializar seu rendimento a cada mês.

Se quiser uma ajudinha para aumentar suas chances de ter sucesso nesse processo, não deixe de acessar o nosso portal!

SóCorretor
COLUNISTA
PERFIL

Comente

Mais Matérias

Colunistas

Encontre aqui o imóvel
dos seus sonhos