Contamos aqui qual a documentação necessária para financiar um imóvel. Confira!

Contamos aqui qual a documentação necessária para financiar um imóvel. Confira!

Encontrar o apartamento certo e sair do aluguel é o objetivo de muita gente. O financiamento imobiliário é uma das maneiras mais rápidas para essa conquista. Afinal, tendo em mãos o valor da entrada, dá para pagar o restante em suaves prestações. Mas você sabe qual a documentação necessária para financiar um imóvel? Contar com

Encontrar o apartamento certo e sair do aluguel é o objetivo de muita gente. O financiamento imobiliário é uma das maneiras mais rápidas para essa conquista. Afinal, tendo em mãos o valor da entrada, dá para pagar o restante em suaves prestações. Mas você sabe qual a documentação necessária para financiar um imóvel?

Contar com os documentos do comprador, do vendedor (pessoa física ou jurídica) e do imóvel é fundamental para dar entrada no processo de financiamento, pois essa papelada é o que garante a legalidade do negócio, protegendo todas as partes envolvidas.

Pensando nisso, preparamos este post com a lista dos documentos que não podem faltar, além das etapas do financiamento. Continue a leitura e prepare-se para dar esse importante passo!

Etapas do financiamento imobiliário

Você já deve saber que financiar um imóvel não é algo que acontece da noite para o dia. O processo envolve algumas burocracias e é preciso estar preparado para lidar com elas. Conhecendo bem a operação, fica mais fácil se planejar. Vamos então às principais etapas.

Entrega da documentação

O primeiro passo é separar a documentação e entregá-la à instituição responsável pelo financiamento. A dica de ouro para não se atrapalhar com as burocracias do negócio é separar tudo com bastante antecedência, até porque certos documentos demoram alguns dias até ficarem prontos.

Análise de crédito

Depois de entregue, a documentação referente ao comprador do imóvel passará por uma análise de crédito, momento no qual a instituição financeira verifica o nome do cliente no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) ou Serasa.

Esse processo serve para atestar que a renda do consumidor é compatível com a dívida do financiamento e se há restrições no CPF do comprador.

Avaliação do imóvel

Liberado o financiamento, é hora de avaliar os documentos referentes ao imóvel. Eles são importantíssimos porque atestam que a propriedade está legalizada e encontra-se livre de pendências judiciais. As principais exigências são:

  • escritura e registro do imóvel;
  • matrícula atualizada;
  • planta baixa (para propriedades compradas na planta);
  • certidões negativas.

Assinatura do contrato

Se estiver tudo em ordem com a documentação da propriedade, o banco partirá para a etapa final: a assinatura do contrato. Esse contrato deverá ser registrado em um Cartório de Registro de Imóvel, atestando que você é legalmente reconhecido como o novo proprietário em questão.

Avalie muito bem todas as cláusulas antes de assiná-lo, dando atenção especial às taxas e aos prazos acordados no financiamento imobiliário.

Checklist da documentação necessária

Para não correr o risco de atrasar o financiamento, certifique-se de que toda a papelada está em suas mãos antes de dar entrada no processo. Reforçamos a necessidade de organizar os documentos com alguns dias de prazo, evitando se estressar por bobagem. Vamos aos itens.

Documentos de identificação

Comece separando os documentos básicos de identificação: carteira de identidade (RG) e CPF. Outros documentos que contenham foto, como a carteira de trabalho (CTPS) e a carteira de motorista (CNH) também poderão ser utilizados como formas de identificação.

Se o financiamento for feito por um estrangeiro, será obrigatório apresentar o passaporte dentro do prazo de validade.

Certidão de estado civil

Solteiros devem apresentar Certidão de Nascimento. Já para quem está envolvido em união estável é necessário apresentar Certidão de Casamento e Escritura Pública de Pacto Antenupcial, visto que nesses documentos constam as informações relacionadas ao regime de bens escolhido pelo casal.

Comprovante de residência

São válidos como comprovantes de residência documentos que informem o endereço completo com CEP. Normalmente, são utilizadas as contas de serviços como água, energia elétrica, gás, telefone, internet, entre outras.

Também é válido um contrato de aluguel registrado em cartório. No entanto, ele deve vir acompanhado de uma conta em nome do locador, atestando o endereço em questão.

Comprovante de renda

O comprovante de renda é o documento que serve de base para a etapa de análise de crédito no financiamento imobiliário. É ele que atesta a margem consignável do comprador, permitindo que a instituição financeira avalie se o valor total da dívida é compatível com os rendimentos do cliente.

A maioria das instituições considera que, para ser possível honrar a dívida, as prestações do financiamento não devem ultrapassar 30% da renda mensal do comprador. Quem trabalha em regime CLT deve apresentar comprovante correspondente a pelo menos três anos de trabalho.

No caso de autônomos, microempresários e demais profissionais que não tenham um holerite, a condição financeira poderá ser comprovada por meio da declaração de Imposto de Renda ou de extratos bancários com movimentações recentes.

Extrato do FGTS

Esse documento é necessário somente para quem pretende utilizar o saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) no financiamento imobiliário. Além do extrato, o cliente deve apresentar a carteira profissional e uma autorização do banco permitindo a operação.

Vale lembrar que o FGTS é um direito de todo trabalhador celetista. No entanto, para ser utilizado na compra de imóveis, é preciso respeitar algumas regras preestabelecidas.

Dicas para evitar problemas durante o processo

Esses são os documentos básicos para quem pretende financiar um imóvel. Apesar de ser uma tarefa que exige paciência, separar a documentação de forma cuidadosa é fundamental para garantir um financiamento seguro. Mesmo porque a instituição bancária não libera o crédito caso algum documento esteja pendente ou em processamento.

Por isso, solicitá-los com um bom prazo de antecedência continua sendo o melhor caminho para financiar o imóvel com mais agilidade e menos burocracia. A gente sabe que nessas horas a ansiedade costuma falar mais alto e queremos logo fechar o negócio.

No entanto, por mais que a tentação seja grande, tente não agir por impulso, pois, se algo passar despercebido com a documentação, o comprador pode cair em golpes imobiliários ou tendo algum prejuízo por conta de possíveis litígios da propriedade.

Como se trata de um investimento alto, que muita gente só faz uma vez na vida, não dá para colocar tudo a perder por causa de um planejamento inadequado, não é mesmo? Portanto, fique atento aos detalhes da negociação e realize seu sonho sem dores de cabeça.

Agora que você já sabe qual a documentação necessária para financiar um imóvel, provavelmente também quer entender os detalhes do processo. Então leia este post e saiba como não ser pego de surpresa na transação!

Imovelweb
COLUNISTA
PERFIL

Comente

Mais Matérias

Colunistas

Encontre aqui o imóvel
dos seus sonhos