Os impactos da Selic sobre o mercado imobiliário para o próximo semestre

Os impactos da Selic sobre o mercado imobiliário para o próximo semestre

Quer se planejar para saber um pouco mais sobre o que há de mudanças agora no segundo semestre de 2018, sobre o mercado imobiliário? Acompanhe!

Os impactos da Selic sobre o mercado imobiliário é um assunto recorrente aqui no blog. O fato se dá pelo momento que a economia brasileira está vivendo desde o ano passado com as constantes quedas da taxa.

Apesar de o Banco Central ter encerrado o ciclo de 12 quedas consecutivas dos juros básicos em maio, a Selic continua no menor patamar desde abril de 2013. A priori, o que é primordial destacar é que o setor imobiliário é um dos mais impactados positivamente pela redução da Selic.

Para entender melhor essa relação, é importante frisar que a Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é a taxa média de juros paga pelo governo brasileiro em empréstimos tomados de instituições bancárias. Ou seja, quando esta taxa aumenta, os bancos tendem a comprar títulos do governo.

Pois, dessa forma, aumentam seus rendimentos. Já quando a Selic abaixa, essa redução estimula os bancos a emprestarem dinheiro diretamente ao consumidor. Afinal, o empréstimo de mais dinheiro para o consumidor aumenta a oferta de capital disponível no mercado.

É igualmente importante ressaltar que é a Selic que regula, ainda que indiretamente, outras taxas de juros que temos no Brasil. Como, por exemplo, as taxas de poupança, crediário, cartão de crédito, financiamento (inclusive o imobiliário!). 

Quanto menor a taxa, mais dinheiro tem circulando no mercado. Além do mais, com essa redução, o consumo é estimulado e os juros ao consumidor também caem. Isso aumenta tanto o volume das compras a prazo quanto o volume de financiamentos. 

Mercado imobiliário é favorecido pelo momento atual

O estudo “Indicadores Imobiliário Nacionais” do primeiro trimestre de 2018, publicado no fim de maio de 2018 pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), demonstra a crescente melhora do setor imobiliário.

Um bom exemplo do progresso do mercado de imóveis é o crescimento do número de vendas de 22,3% em relação ao mesmo período do ano passado. No 1° trimestre de 2017, 20.209 unidades foram vendidas contra 24.712 em 2018.

Ainda segundo o estudo da CBIC, o Distrito Federal foi o 4° estado que mais teve aumento no número de lançamentos – apesar de ainda sofrer escassez de oferta de imóveis novos e prontos para morar, sobretudo no segmento alto padrão de Brasília. 

Pouco a pouco, o mercado imobiliário conquista novamente a confiança do mercado, e na Capital Federal não poderia ser diferente. Afinal, juros menores tendem a movimentar o mercado de crédito e investimentos imobiliários.

Além do mais, o investimento em imóveis é a melhor opção para o investidor conservador neste momento de retração das taxas de juros. Isto porque a redução da Selic tende a fazer com que as taxas de retorno da renda fixa caiam consideravelmente.

Bancos cortam taxas de financiamento de imóveis

Para conquistar o mercado, bancos brasileiros cortaram taxa de financiamento de imóveis. O acontecimento mostra a iminente retomada do mercado imobiliário em 2018. “Com o aumento da confiança dos consumidores, estamos percebendo uma retomada, o que é uma ótima notícia para o setor e para o país.

Essa nova redução de taxas certamente contribuirá para acelerar esse movimento”, justificou a diretora do Itaú Unibanco, Cristiane Magalhães.

Logo no 1° trimestre do ano, o Itaú anunciou a diminuição da taxa de juros imobiliários. O banco divulgou que os juros passaram para 8,8% ao ano mais a Taxa Referencial (TR) para imóveis que se enquadram no Sistema de Financiamento de Habitação (SFH) e para 9,3% no caso dos imóveis que se encaixam no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

Após mais de um ano sem recuo, a Caixa anunciou que o SHF passou de 10.25% para 9% ano ano. No Banco do Brasil,o mesmo juro foi reduzido de 9,24% para 8,99%. Já no Bradesco, a SFH foi de 9,3% para 8,85% ao ano. 

Emplavi lança, em junho, campanha “Mês de Oportunidades 2018”

Em sintonia com esses movimentos que o cenário do Mercado Imobiliário de Brasília apontam para este momento importante, tais como a queda da Selic e a iminente valorização imobiliária já prevista para o segundo semestre de 2018, dado os impactos da escassez na oferta imobiliária na Capital associada à perspectiva concreta de aumento inflacionário, decorrente da recente crise cambial e da greve dos caminhoneiros que paralisaram diversos setores que compõem a base de cálculo da inflação no país, a Emplavi, maior construtora de Brasília e líder no segmento alto padrão, acelera o passo mais uma vez e sai na frente com a campanha “Mês de Oportunidades Emplavi 2018” que vai até o final de Junho de 2018.

A nova campanha visa proporcionar uma nova chance de fechamento de negócios, através das “rodadas de negociações”, onde clientes mais amadurecidos em sua decisão de compra sentam com a Diretoria da Emplavi para uma negociação direta e em condições especiais.

“Em um momento em que a escassez de oferta e aumento da demanda pressionam os preços dos imóveis novos em Brasília para cima, é muito oportuna essa campanha. Veio na hora certa e com certeza teremos muitos negócios fechados em junho com um grande fluxo de clientes durante todo o mês” celebra Wilson Charles , diretor comercial da empresa.

Quer aproveitar essa chance para fechar o primeiro semestre de 2018 com as chaves de um novo imóvel? Acesse aqui e aproveite!

 

* Fundada em abril de 1982, a Emplavi vem se distinguindo no mercado imobiliário do Distrito Federal como uma das maiores e mais bem-conceituadas empresas incorporadoras. A empresa já entregou mais de 28.000 imóveis, rigorosamente no prazo e se consolida a cada dia como referência no alto padrão do mercado imobiliário na cidade.

Imovelweb
COLUNISTA
PERFIL

Comente

Mais Matérias

Colunistas

Encontre aqui o imóvel
dos seus sonhos