Arquitetura brasileira vive bom momento no exterior

Arquitetura brasileira vive bom momento no exterior

Jovens arquitetos brasileiros marcam presença fora do país em eventos, exibições, debates e até livros

Pavilhão Humanidade, de Carla Juaçaba, selecionado pela Taschen para a recém-lançada coletânea Architecture Now! 9 (Foto Leonardo Finotti)

Pavilhão Humanidade, de Carla Juaçaba, selecionado pela Taschen para a recém-lançada coletânea Architecture Now! 9 (Foto Leonardo Finotti)

Por Mariana Barros*

Nas últimas semanas, a arquitetura brasileira tem sido vista com especial atenção pelo resto do mundo. E não por conta de obras dos anos 50, pelo traço de Niemeyer ou pela fantástica criação de Brasília no meio do nada, mas sim pelo que está sendo produzido agora. Tanto jovens profissionais quanto os mais experientes tiveram visibilidade em eventos internacionais.

Em outubro, o Brasil fez duas participações no World Architecture Day, em Nova York. A urbanista Elisabete França realizou conferência sobre a experiência de reurbanização de favelas paulistanas, comandada por ela no período em que foi secretária municipal de Habitação (2005-2012), nas gestões de José Serra e Gilberto Kassab. Já Lourenço Gimenes, do escritório FGMF, participou de um painel sobre como as questões regionais influenciam a concepção de projetos residenciais.

Enquanto isso, em Singapura, Isay Weinfeld, Gustavo Penna, Marcio Kogan e o jovem Flavio Castro, de apenas 30 anos, representaram o Brasil no World Architecture Award.

Já em Frankfurt, na Alemanha, foi inaugurada a exposição Neun Neue (Nove Novos), que reúne trabalhos de nove escritórios de arquitetura brasileiros liderados pro profissionais com menos de 40 anos de idade. Entre eles, Arquitetos Associados, de Belo Horizonte, BCMF, de Belo Horizonte, Rizoma, de Belo Horizonte, Bernardes+Jacobsen, do Rio de Janeiro, Carla Juaçaba, do Rio de Janeiro, Corsi Hirano, de São Paulo, Metro, de São Paulo, Nitsche, de São Paulo, e Studio Paralelo, de Porto Alegre. A mostra foi organizada pelo DAM Deutsches Architekturmuseum, o Museu de Arquitetura de Frankfurt, em parceria com o Instituto Tomie Ohtake.

Não bastassem os eventos, as publicações especializadas também cedem espaço aos brasileiros. A carioca Carla Juaçaba, o escritório paulistano Metro e o belorizontino Gustavo Penna (GPA&A) figuram no volume Architecture Now! 9, publicado pela editora Tashen. Com curadoria de Philip Jodidio, a coletânea recém-lançada inclui trabalhos de Zaha Hadid e Jean Nouvel. Entre os projetos brasileiros, estão o Pavilhão Humanidades, que Juaçaba criou no ano passado em Copacabana por ocasião da conferência Rio+20, em parceria com Bia Lessa, a Nova Galeria Leme e a Fábrica da Nestlé, ambas do Metro, e a Capela de Todos os Santos, do Gustavo Penna Arquitetos Associados.

*Mariana Barros é jornalista e autora do blog Habite SP

Comente

Mais Matérias

Colunistas

Encontre aqui o imóvel
dos seus sonhos